Eu tenho a palavra (2009)

“Eu tenho a palavra”é uma viagem linguística em busca das origens africanas da cultura brasileira.

O antigo reino do Congo foi a origem da maioria dos africanos escravizados no Brasil que, no cativeiro, criaram diversos dialetos para que pudessem se comunicar livremente.

A “língua do negro da Costa” é um desses dialetos, ainda preservado no bairro da Tabatinga, em Bom Despacho, MG. O idioma é composto por um português rural do Brasil-Colônia e línguas do grupo Banto, com predomínio do mbundo, falado até hoje em Angola.

Dois personagens – um falante da “língua do negro da Costa” e outro falante de mbundo – nos guiam nessa viagem transoceânica de reconhecimento.

Diretor: Lilian Solá Santiago
Produção: Francine Barbosa
Montagem: Leandro Goddinho
Som Direto: Valnei Nunes
Fotografia: Valnei Nunes
Trilha: Fernando Alabê

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *