Curadorias O cerrado resiste

Águas do Cerrado nos conectando resistências no campo e nas cidades

Águas do Cerrado nos conectando resistências no campo e nas cidades

97% das águas que alimentam a Bacia do São Francisco nascem do Cerrado. Nesta rota navegamos por algumas formas de resistência dos povos e comunidades que foram este Bioma.

Partimos com A mulher no alto do morro (2012), de Cássio Pereira. E guiados pela curiosidade de um grupo de crianças chegamos nas histórias e lendas contadas por dona Santa Serrana.

Em Gerais (2014), de Tiago Carvalho e Arthur Frazão vamos lidar com o embate entre diversidade cultural e monocultura. Dilema e enfrentamento que tem sido feito pelos Geraizeiros no Norte de Minas.

O documentário Auto demarcação da RDS de Pau Preto (2011), ajuda a compreender um fato de agosto de 2018: os ruralistas do Norte de Minas pedem à Temer que revogue a Política Nacional dos Povos e Comunidades Tradicionais (PNPCT) e suspenda os processos demarcatórios.

Estas lutas nos gerais e nas vazantes tem um campo de efeito bem maior que seus territórios. onde temos mais pessoas que dependem das águas do Cerrado é nas cidades. A crise hídrica que a pouco tempo atingiu São Paulo tem relação com o que acontece no Bioma. Por isso Felicidade (2017) é um filme essencial nesta rota. Com ele vamos para o Bairro Jardim Felicidade na região Norte de Belo Horizonte. Os jovens que produzem o filme são do Bairro e apresentam a relação de seus habitantes – humanos e não humanos – com o córrego Tamboril e duas de suas nascentes.

E fechamos a Rota com a Insurgência (2017) feito por André Monteiro, pesquisador da Fiocruz Pernambuco durante o protesto que ocorreu em Correntina e novembro de 2017. Em meio a marcha, pessoas de todas as idades traziam palavras que chamam a atenção: “não somos terroristas”. Uma reação à forma como a mídia repercutiu o ato realizado na semana anterior que destruiu instalações de captação de água e irrigação de 2 fazendas na região.

Curadoria e texto: Bernardo Vaz

+ Sem cerrado, sem água, sem Rio São Francisco ; uma conversa com Isolete Wichinieski, Coordenadora nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e uma das articuladoras da Campanha Nacional em Defesa do Cerrado.